A igualdade de gênero e a ONU: dilemas e propostas

Esta semana iremos falar sobre o 5º Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU: a igualdade de gênero.


ODS 4 / Fonte da imagem: https://sc.movimentoods.org.br/

O que é?

Pensar em igualdade de gênero é, invariavelmente, pensar em direitos básicos que foram adquiridos muito recentemente pelas mulheres. Entretanto, é importante frisar que essa questão não afeta apenas a população feminina, pois igualdade é um indicador de desenvolvimento sustentável. Em outras palavras, o que se procura atingir até 2030 é a igualdade em direitos, responsabilidades e oportunidades para mulheres e homens.


Qual a sua importância?

Assim como qualquer outro direito fundamental, a igualdade de gênero é imprescindível para que possamos continuar a construir um mundo melhor. Uma sociedade que não limita os papéis, atividades e comportamentos possíveis ao gênero feminino em detrimento do masculino é uma sociedade com potencial infinitamente maior de crescimento e desenvolvimento social, educacional, cultural e econômico.

Atualmente, apesar de muitos avanços, ainda há expressiva desigualdade na forma como as mulheres são vistas. Em consequência, temos poucas mulheres ocupando altos cargos em empresas, pouca participação feminina na política, um alto índice de violência e exploração sexual feminina, leis feitas por homens e para homens, média salarial menor para as mulheres e uma concepção geral de que a mulher é inferior e menos capaz que um homem para exercer as mesmas funções. Isso faz com que as mulheres sejam limitadas ao espaço doméstico e, mesmo quando inseridas no mercado de trabalho, acabam tendo que cumprir uma dupla função no âmbito profissional e quanto às tarefas da casa.

Desigualdade de gênero no mundo

O Índice Global de Desigualdade de Gênero publicado em dezembro de 2019 alerta que a desigualdade de gênero no local de trabalho tem aumentado ao redor do mundo. Nesse ritmo, serão necessários 257 anos para alcançar a paridade, o que representa aumento significativo se comparado com o relatório de 2018 que apontava serem necessários 202 anos.

Os dados mostram que em todo o mundo as mulheres ganham em média 23% a menos do que os homens. Uma a cada cinco mulheres sofre violência física ou sexual nas mãos de seu companheiro. Mulheres dedicam 4,3 horas ao dia às tarefas da casa contra 1,6 horas dedicadas pelos homens as mesmas tarefas. E ainda 49 países não têm leis que protejam mulheres contra a violência. Tais informações evidenciam uma realidade chocante em pleno ano de 2020.

Da análise do IGD, os países com maiores índices de desigualdade de gênero são Síria, Paquistão, Iraque e Iêmen. Por sua vez, os países mais bem avaliados são Islândia, em primeiro lugar, seguida de Noruega, Finlândia, Suécia, Nicarágua e Nova Zelândia. No relatório de 2019 o Brasil ocupava a posição 92 do ranking, sendo um dos países mais desiguais da América Latina, sobretudo no quesito participação política feminina e igualdade salarial.

Desigualdade de gênero no Brasil

Conforme o Relatório Luz de 2020, o Brasil tem apresentado retrocessos na garantia dos direitos das mulheres. Entre 2014 e 2019, houve uma redução de 75% dos recursos do Programa de Políticas para as Mulheres.

Além disso, as leis existentes que visam promover, reforçar e monitorar a desigualdade não são cumpridas e nem fiscalizadas, gerando impunidade na sistemática violação de direitos de mulheres e meninas.

Quanto a dados de agressão contra mulheres, uma pesquisa do Instituto Data Senado apontou que para 31% das entrevistadas, a primeira agressão foi sofrida antes dos 19 anos. Cerca de 24% das vítimas ainda convivem com o agressor, 34% dependem dele economicamente e 31% afirmam não ter feito nada em relação à última violência sofrida, o que sugere um alto número de subnotificações.

Os dados ficam ainda mais aterrorizantes. Entre 2017 e 2018, 50.899 meninas foram estupradas, totalizando uma menina estuprada a cada 20 minutos. E a maior incidência de estupros ocorre na faixa dos 13 anos de idade.

Mais uma vez, o Brasil se mostra relapso no cumprimento das metas da Agenda 2030, sem nenhum avanço no último ano. O país carece em políticas públicas que combatam à ideologia de gênero e abordem as desigualdades e violências sofridas pela população LGBTI+.


Principais metas do ODS 5

Algumas das principais metas deste ODS são:

  • Adotar e fortalecer políticas sólidas e legislação aplicável para a promoção da igualdade de gênero e o empoderamento de todas as mulheres e meninas, em todos os níveis;

  • Assegurar o acesso universal à saúde sexual e reprodutiva e os direitos reprodutivos;

  • Garantir a participação plena e efetiva das mulheres e a igualdade de oportunidades para a liderança em todos os níveis de tomada de decisão na vida política, econômica e pública;

  • Reconhecer e valorizar o trabalho de assistência e doméstico não remunerado, por meio da disponibilização de serviços públicos, infraestrutura e políticas de proteção social, bem como a promoção da responsabilidade compartilhada dentro do lar e da família, conforme os contextos nacionais;

  • Eliminar todas as práticas nocivas, como os casamentos prematuros, forçados e de crianças e mutilações genitais femininas;

  • Eliminar todas as formas de violência contra todas as mulheres e meninas nas esferas públicas e privadas, incluindo o tráfico e exploração sexual e de outros tipos;

  • Acabar com todas as formas de discriminação contra todas as mulheres e meninas em toda parte.

As mulheres representam metade da população mundial, mas como vimos o caminho para alcançar seus direitos é uma luta diária. Uma sociedade igualitária é uma sociedade mais capaz de alcançar o progresso. Portanto, somente com a igualdade teremos um mundo pautado na justiça.


Dados coletados da ​BBC, Fórum Econômico Mundial, Global Citizen, Relatório Luz 2020.


Texto criado e desenvolvido exclusivamente pela Letícia Chieppe (@lele_chieppe) para a Souy Eco-Friendly.


•••

com propósito: comércio justo, colaborativo e sustentável

INFORMAÇÕES

FORMAS DE PAGAMENTO

O nome Souy® e seu logo são marcas registradas da Souy Serviços de Marketing Ltda. 

© Copyright 2014-2020 | Souy Serviços de Marketing Ltda. | Todos os direitos reservados. ®

SOBRE A SOUY

souy-eco-friendly-site-seguro.png
ANDROID.png

Souy Serviços de Marketing Ltda. CNPJ 33.943.306/0001-30